Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Odontologia

Dissertações Defendidas - 2007

Título: Avaliação do Crescimento Maxilo-Mandibular nos Planos Vertical, Sagital e Transversal no Crescimento Puberal
Autor(a): Inês Kikue Nakamura Kamitsuji
Orientador(a): Cristina Lúcia Feijó Ortolani
Data da defesa: 18/04/2007
Resumo: O crescimento e o desenvolvimento das estruturas crânio-faciais são muito complexos e têm sido muito estudados por serem as principais áreas de atuação dos Ortodontistas e dos Ortopedistas Faciais. Este estudo teve como objetivo avaliar o crescimento e o desenvolvimento maxilo-mandibular utilizando 07 grandezas para sentido vertical, 04 para avaliação no sentido sagital e 04 para o transversal, através de radiografias cefalométricas em norma lateral e frontal, tanto nos indivíduos do sexo masculino quanto do feminino, em 03 períodos de crescimento, aceleração, transição e desaceleração, classificados de acordo com a maturação das vértebras cervicais, estabelecidos por Hassel e Farman em 1995.
Observou-se um crescimento estatisticamente significante em todas as grandezas estudadas, quando consideramos o crescimento do período da aceleração até a desaceleração; porém não foi encontrada diferença estatística quando comparados os períodos: da aceleração à transição e da transição à desaceleração, com exceção do comprimento anterior da face (PHF-Gn) que apresentou valores significantemente maiores no segundo período de crescimento estudado, quando comparado ao primeiro. Não foi verificado dimorfismo sexual nas grandezas cefalométricas estudadas, exceto nas grandezas transversas NE-ND e AGE-AGD.
Ao avaliarmos o crescimento maxilar, verificamos que ele é maior no sentido vertical (p<0,05), seguido pelo sagital e o transversal; para a mandíbula, verificamos que a quantidade de crescimento no sentido vertical (p<0,05) é maior que no sentido sagital e transversal, sendo que esses últimos são semelhantes.
A comparação das grandezas mensuradas nas radiografias cefalométricas em norma lateral (vertical e sagital) com as grandezas mensuradas nos cefalogramas em norma frontal (transversal e vertical) permitiu-nos abstrair uma análise tridimensional do crescimento e do desenvolvimento crânio-facial.

Palavras-chave: Crescimento craniofacial. Cefalometria lateral. Cefalometria frontal.
Área de Concentração: Clínica Infantil - Ortodontia
Linha de Pesquisa:  Alterações dentofaciais: diagnóstico, prevenção e tratamento
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:  Estudos aplicados à Ortodontia e Ortopedia Facial


Título: Dimensão do espaço nasofaringeano em indivíduos na fase de pré-surto de crescimento puberal, com padrão facial retrovertido portadores de más oclusões de Classe I, Classe II e Classe III
Autor(a): Luis Paulo Ferreira Bellini
Orientador(a): Cristina Lúcia Feijó Ortolani
Data da defesa: 25/04/2007
Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar as dimensões do espaço nasofaringeano e da porcentagem de ocupação da nasofaringe pela tonsila faríngea em indivíduos na fase de pré-surto de crescimento puberal, com padrão facial retrovertido, portadores de más oclusões de Classe I, Classe II e Classe III. Foram utilizadas 128 radiografias cefalométricas em norma lateral de indivíduos do sexo masculino e feminino na fase de pré-surto de crescimento puberal, avaliados pelo método de Hassel e Farman (1995). As radiografias cefalométricas em norma lateral foram digitalizadas e, por meio de traçado cefalométrico computadorizado, determinamos o padrão facial retrovertido, segundo Ricketts (1989); classificação das más oclusões, segundo Schwarz-Faltin et al. (1997) e a dimensão da nasofaringe e a porcentagem de ocupação da nasofaringe pela tonsila faríngea, segundo Schulhof (1978). Os resultados foram submetidos a testes estatísticos e não foram encontradas diferenças estatisticamente significante quanto às dimensões da nasofaringe para indivíduos portadores de má oclusão de Classe I, II e III; quanto à idade óssea, o único fator que apresentou diferença estatística significante nas dimensões do espaço nasofaringeano foi o fator R-PTV. Não existe diferença estatisticamente significante entre os sexos feminino e masculino quanto às dimensões do espaço nasofaringeano.

Palavras-chave: Nasofaringe. Padrão facial retrovertido. tonsila faríngea.
Área de Concentração: Clínica Infantil - Ortodontia
Linha de Pesquisa: Alterações dentofaciais: diagnóstico, prevenção e tratamento
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Estudos aplicados à Ortodontia e Ortopedia Facial


Título: Estudo Cefalométrico da Classe II com Retrognatismo Mandibular Tratada com Bionator de Balters e Comparada com Grupo Controle no Mesmo Estágio de Maturação Esquelética
Autor(a): Márcia Aparecida Alves de Almeida
Orientador(a): Kurt Faltin Júnior
Data da defesa: 25/04/2007
Resumo: O Bionator do Prof. Wilhem Balters, colocado em prática como um aparelho ortopédico facial funcional na década de 60, vem sendo usado com frequência no tratamento da Classe II divisão 1a, associada ao retrognatismo mandibular. Vários estudos têm sido realizados para avaliar os efeitos ortopédicos deste aparelho, porém há controvérsias quanto aos resultados encontrados. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o efeito da correção da Classe II mandibular com o aparelho funcional Bionator Base de Balters, comparar os resultados cefalométricos obtidos, com amostra homogênea não tratada, no mesmo estágio de maturação das vértebras cervicais (EMVC), e comparando também com a previsão de crescimento mandibular de Ricketts. Foram selecionados 33 indivíduos tratados com Bionator e 31 indivíduos não tratados para controle. Nove grandezas cefalométricas lineares e três angulares foram utilizadas para a avaliação. Os resultados foram estatisticamente significantes para o comprimento do ramo, comprimento da mandíbula e posição vertical da mandíbula, no grupo tratado. Quando os indivíduos foram subdivididos por EMVC(2-3, 3-4), o comprimento da mandíbula mostrou uma tendência a aumento, porém não significante. No grupo tratado, a alteração do comprimento do corpo aconteceu de acordo com a previsão de crescimento, enquanto no comprimento do ramo houve um incremento anual maior que o esperado. Já no grupo controle o comprimento do ramo acompanhou a previsão de crescimento, porém o comprimento do corpo apresentou incremento menor que o esperado.

Palavras-chave: Bionator. Classe II. Maturação esquelética.
Área de Concentração: Clínica Infantil - Ortodontia
Linha de Pesquisa: Alterações Dentofaciais: diagnóstico, prevenção e tratamento
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Estudos aplicados à Ortodontia e Ortopedia Facial


Título: Análise das Vias Aéreas Superiores de pacientes portadores de Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono relacionados ao Tipo Facial e Padrão Esquelético
Autor(a): Carla Patricia de Figueiredo Rodrigues
Orientador(a): Cláudio Costa
Data da defesa: 27/4/2007
Resumo: A Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS) caracteriza-se por episódios repetitivos de obstrução das Vias Aéreas Superiores (VAS) com duração mínima de 10 segundos, ocorrendo várias vezes e exclusivamente durante o sono. A SAOS é uma doença crônica e evolutiva com altas taxas de morbidade e mortalidade acometendo, numa população de meia idade, 4% dos homens e 2% das mulheres. A análise cefalométrica realizada em tomadas radiográficas em norma lateral vem sendo considerada um importante método auxiliar para o diagnóstico, fornecendo características craniofaciais tais como: posição maxilomandibular, espaço aéreo posterior da faringe, posição do osso hióide, volume e comprimento de língua, os quais podem apresentar–se fora dos padrões de normalidade predispondo os pacientes a SAOS. O objetivo deste trabalho é apresentar características anatômicas dos tecidos esqueléticos e moles comparando-as com os tipos faciais e padrões esqueléticos de pacientes portadores de SAOS.

Palavras-chave: Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono. Padrão facial. Padrão esquelético.
Área de Concentração: Clínica infantil - ortodontia
Linha de Pesquisa: Alterações dento-faciais: diagnóstico, prevenção e tratamento
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Imaginologia aplicada à dentologia


Título: Estudo da Ocorrência das Lesões Bucais na Clínica de Estomatologia da Faculdade de Odontologia da UNIP – Campus Indianópolis, por meio de um Método Desenvolvido para Coleta e Processamento de Dados
Autor(a): Fernanda Maria Pirozelli de Oliveira
Orientador(a): Luciano Lauria Dib
Data da defesa: 24/08/2007
Resumo: O presente trabalho propõe desenvolver um novo método para a obtenção e processamento de dados em diagnóstico bucal, testado na clínica de Estomatologia da Universidade Paulista – UNIP. Esse método é constituído de uma ficha clínica especialmente desenvolvida para este estudo, baseada na guia de epidemiologia de lesões orais da OMS, cuja  intenção é orientar o examinador no sentido de realizar um correto diagnóstico e um banco de dados informatizado que permite a análise estatística dos dados armazenados.  A amostra coletada na clínica de Estomatologia consta de 125 pacientes que foram examinados no período de Agosto de 2005 a Dezembro de 2006. Desse total, 86 são do gênero feminino, 39 são do gênero masculino. Com relação à cor, a maioria de cor branca corresponde a 91 pacientes e os considerados não-brancos correspondem a 34 pacientes. A idade média dos pacientes é de 46 anos. Desses 125 pacientes, 106 apresentavam lesão em mucosa oral no momento do exame clínico e geralmente essas lesões são únicas (83 casos). Os locais mais afetados foram: palato duro (18 casos), lábio inferior (17 casos) e língua (13 casos). De acordo com diagnóstico final, as lesões mais encontradas foram: hiperplasia fibrosa inflamatória (13 casos), úlcera traumática (09 casos), cisto periapical (07 casos) e hemangioma capilar (05 casos). Com relação às lesões cancerizáveis, obtivemos três casos de queilite actínica e outros três casos de leucoplasia. Carcinoma espinocelular foi diagnosticado em três casos.

Palavras-chave: Epidemiologia. Metodologia de diagnóstico. Lesões orais.
Área de Concentração: Diagnóstico Bucal - Semiologia
Linha de Pesquisa: Epidemiologia e prevenção das patologias bucais; saúde coletiva
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Esquemas terapêuticos propostos e preconizados no tratamento das lesões bucais


Título: Estudo comparativo da reação tecidual conjuntiva de ratos, frente a três cimentos endodônticos resinosos
Autor(a): Kazuzo Okino Neto
Orientador(a): Harry Davidowicz
Data da defesa: 30/08/2007
Resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar in vivo a biocompatibilidade dos cimentos endodônticos resinosos AH-Plus, Acroseal e EndoREZ, após a implantação em tecido subcutâneo de  16 ratos. Os cimentos foram colocados no interior de tubos de polietileno e implantados em locais específicos no subcutâneo do dorso dos animais. Os blocos de tecidos foram removidos após 24 horas, 72 horas, 7 dias e 21 dias, processados histologicamente e analisados através da observação microscópica.
Os resultados indicaram que todos os cimentos induziram reações inflamatórias discretas, que diminuíram ao longo do experimento. Os tecidos apresentaram melhor resposta biológica frente ao cimento Acroseal seguido pelo AH-Plus e EndoREZ.

Palavras-chave: Cimentos Endodônticos. Obturação do Sistema de Canais Radiculares. Biocompatibilidade.
Área de Concentração: Endodontia
Linha de Pesquisa: Diagnóstico e Terapia Endodôntica
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Diagnóstico e terapia em Endodontia


Título: Estudo das Alterações dos Tecidos Periodontais durante a Movimentação Ortodôntica
Autor(a): Cybelle Mori Hiraoka
Orientador(a): Cristina Lúcia Feijó Ortolani
Data da defesa: 03/10/2007
Resumo: Diabetes Mellitus (DM) é um problema de saúde mundial, que atinge no Brasil uma prevalência de 12% da população, evoluindo silenciosamente e levando a várias complicações. Concomitantemente a ortodontia está se tornando cada vez mais popular. Diante dessa questão, este trabalho buscou avaliar as alterações dos tecidos periodontais durante a movimentação ortodôntica com forças leves (10cN) em ratos diabéticos induzidos por aloxano, mediante análise microscópica e estatística da histomorfometria (p<0,05). Além de avaliar o peso e valor glicêmico dos animais e verificar a atuação do aloxano na indução do, DM em ratos, foram útilizados 36 animais divididos em grupo controle e grupos de diabéticos. Cada um desses grupos, foi subdividido em 3 grupos de 7, 14 e 21 dias de movimentação ortodôntica. Através dos resultados, pudemos concluir que o aumento da distância entre os primeiros e segundos molares inferiores, após movimentação ortodôntica com forças de 10cN, foi estatisticamente significante no grupo diabético em relação ao grupo controle: aos 21 dias de observação, a reabsorção radicular externa mostrou-se mais expressiva no grupo diabético; o grau de severidade da doença periodontal foi maior no grupo diabético quando comparado com o grupo normal; a intensidade da força utilizada para movimentação ortodôntica em pacientes diabéticos não pode ser a mesma utilizada em pacientes normais; houve no grupo diabético uma relação inversamente proporcional entre peso e nível glicêmico, o que não foi observado no grupo controle; o aloxano monohidratado, na concentração de 40mg/kg, mostrou-se eficiente na indução do DM para ratos. Diante disso, é de suma importância que o cirurgião-dentista conheça todas as alterações provocadas pelo DM, tanto na cavidade bucal quanto no geral, e suas consequências quando se realiza um plano de tratamento ortodôntico convencional.

Palavras-chave: Diabetes Mellitus, Periodonto, Ortodontia
Área de Concentração: Clínica Infantil - Ortodontia
Linha de Pesquisa: Alterações dentofaciais: diagnóstico, prevenção e tratamento.
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: Estudo das Alterações Morfológicas e Morfométricas das Cabeças da Mandíbula em Roedores Adultos após Diminuição da Dimensão Vertical de Oclusão
Autor(a): Manuel Eduardo Moiolli Rodrigues
Orientador(a): Adolpho Chelotti
Data da defesa: 21/11/2007
Resumo: O objetivo do presente estudo foi verificar se a Diminuição Patológica da Dimensão Vertical de Oclusão em Roedores Adultos é capaz de produzir alterações morfológicas e/ou morfométricas em suas cabeças da mandíbula e, caso elas ocorram, em que região predominariam. Vinte e quatro ratos (Rattus norvegicus albinus, variedade Wistar), machos, adultos, com idade média de 90 dias e aproximadamente 260 g de peso inicial, em média, foram divididos em 3 grupos experimentais e de cada grupo foram separados três animais que serviram de controle. Foram procedidos desgastes oclusais e incisais até que se reproduzisse uma significativa diminuição da dimensão vertical de oclusão. Os animais foram sacrificados e tiveram suas cabeças da mandíbula mensuradas e analisadas morfométrica e histologicamente, através da microscopia de luz, nos seguintes intervalos: 07 dias após os desgastes para o 1º grupo, 14 dias para o 2º grupo e 28 dias para o 3º grupo. Com a finalidade de quantificar o grau de modificação da forma da superfície das cabeças da mandíbula e verificar a região de predominância destas alterações, foram medidas suas alturas em dois diferentes ângulos (75º e 125º), utilizando sempre a imagem lateral e analisadas a relação perímetro/área de três seguimentos A, B e C. A análise através da lupa estereoscópica demonstrou que ocorreram significativas alterações de forma e tamanho nas cabeças das mandíbulas estudadas em comparação com as dos animais-controle e que a região que mais alterações sofreu durante todo o período experimental foi a região central, que corresponde à área de maior solicitação funcional durante o processo fisiológico da mastigação. A análise através da relação perímetro/área das cabeças das mandíbulas demonstrou terem ocorrido alterações nessas medidas no grupo experimental 07 dias em relação às cabeças da mandíbula dos ratos-controle do mesmo grupo, que mostram áreas de remodelagem, recuperando suas dimensões a partir do grupo experimental 14 dias; já no grupo 28 dias as medidas se equivaliam. As lâminas histológicas coradas pela técnica da hematoxilina-eosina e analisadas através da microscopia de luz mostraram grandes áreas de reabsorção óssea em imagens de degeneração da cabeça da mandíbula no grupo experimental 07 dias; porém identificamos áreas de neoformação óssea a partir do grupo experimental 14 dias, chegando a apresentar rimas de osteoblastos em áreas de intensa remodelação óssea, com a forte presença de trabeculado ósseo no grupo 28 dias. A diminuição patológica da dimensão vertical de oclusão em ratos provocou modificações morfológicas e morfométricas nas áreas estudadas das cabeças da mandíbula e, após um período inicial, a adaptação que ocorreu nessas cabeças da mandíbula se completa com um processo de remodelação que leva ao restabelecimento das funções mastigatórias.

Palavras-chave: Cabeças da Mandíbula. Roedores Adultos. Dimensão Vertical de Oclusão.
Área de Concentração: Clínica Infantil - Ortodontia
Linha de Pesquisa: Alterações dentofaciais: diagnóstico, prevenção e tratamento.
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Estudos Aplicados à Ortodontia e Ortopedia Facial


Título: Comparação entre maturação das vértebras cervicais e desenvolvimento dentário de caninos e segundos molares mandibulares em indivíduos do sexo masculino e feminino na faixa etária de 8 a 13,4 anos
Autor(a): Vania Cristina de Santana
Orientador(a): Adolpho Chelotti
Data da defesa: 12/12/2007
Resumo: O objetivo deste estudo foi verificar a correlação entre os estágios de maturação das vértebras cervicais e os estágios de desenvolvimento dos dentes caninos e segundos molares mandibulares, em indivíduos portadores de má oclusão. A amostra neste estudo retrospectivo consta de 44 indivíduos de ambos os gêneros, no estágio de desenvolvimento da oclusão em fase mista ou permanente jovem. A faixa etária varia entre 8 anos a 13,4 anos, na média. Os resultados foram submetidos à análise estatística, e demonstraram que nos indivíduos do gênero feminino, à medida que ocorreu o desenvolvimento dos estágios das vértebras cervicais, ocorreu concomitantemente o desenvolvimento dental de caninos e segundos molares mandibulares. Nos indivíduos do sexo masculino, houve significativa correlação negativa do desenvolvimento de segundos molares mandibulares com os estágios das vértebras. Os dentes caninos e segundos molares mandibulares tiveram seu desenvolvimento de forma similar, em ambos os gêneros, nos estágios individualizados de maturação das vértebras cervicais, porém, demonstrou uma tendência a precocidade do gênero feminino comparado ao gênero masculino. O desenvolvimento dos dentes caninos e segundos molares mandibulares e das vértebras cervicais são importantes indicadores biológicos do crescimento e desenvolvimento craniofacial, na fase puberal.

Palavras-chave: Desenvolvimento dental. Maturação esquelética, Crescimento puberal.
Área de Concentração: Clínica Infantil - Ortodontia
Linha de Pesquisa: Alterações dentofaciais: diagnóstico, prevenção e tratamento
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: