Você está em: Universidade Paulista / Pós-Graduação / Programas de Mestrado e Doutorado / Laboratório de Extração

Laboratório de Extração

Núcleo de Pesquisas em Biodiversidade

Núcleo de Pesquisas em Biodiversidade

APRESENTAÇÃO

Objetivo

Um número considerável de medicamentos é originado de plantas. O Brasil é o país que detém a mais rica biodiversidade, composta pela Floresta Amazônica, Mata Atlântica, Cerrado e outros biomas importantes, pouco desvendados pela ciência. O Núcleo de Pesquisas em Biodiversidade da UNIP foi concebido para realizar estudos em grande escala destes ecossistemas. Para tanto, amostras de extratos vegetais são testadas em modelos biológicos, farmacológicos ou fitoquímicos, depois são selecionadas e fracionadas, a fim de que o composto responsável pela atividade seja identificado. Programas desta ordem visam ao teste de um elevado número de amostras em um tempo relativamente curto, utilizando-se de apenas uma pequena quantidade de extrato. O NPBio está inserido nos Programas de Pós Graduação em Patologia Ambiental e Experimental e em Odontologia, contribuindo para o incremento de pesquisas nessas áreas.

Objetivos específicos:

  • formação de recursos humanos em Ciências, na área da Saúde
  • desenvolvimento de estudos de identificação de novos fármacos a partir de plantas amazônicas e da Mata Atlântica
  • identificar substâncias farmacologicamente ativas de importância humana e veterinária
  • promover cooperações entre instituições de ensino e pesquisa

Histórico

Em 1996, o Dr. Drauzio Varella inaugurou, juntamente com o Dr. Riad N. Younes, o Laboratório de Extração. Desde esta época, os pesquisadores realizam coletas de espécies vegetais pertencentes a diferentes famílias, com o objetivo de se obter extratos orgânicos e aquosos a partir do material vegetal moído, segundo técnicas utilizadas no National Cancer Institute/National Institutes of Health, dos Estados Unidos. Com o passar dos anos, outros laboratórios foram montados: o Herbário UNIP e o Laboratório de Botânica, os quais recebem as amostras de plantas e onde a identificação taxonômica do cada espécime é realizada, sob as lentes do curador do herbário. Hoje, o grupo de botânica realiza pesquisa em diversos biomas de importância ecológica, como Mata Atlântica, Amazônia, Cerrado, Restinga, com o intuito de se estudar a dinâmica florestal destas áreas, ao longo do tempo. Depois, foi inaugurado o Laboratório de Triagem Antitumoral, com financiamento da FAPESP, onde são realizados os ensaios de citotoxicidade, com o objetivo de se identificar extratos que inibem o crescimento de tumores humanos, in vitro, segundo técnicas utilizadas no National Cancer Institute/National Institutes of Health, dos Estados Unidos. Mais tarde, foi inaugurado o Laboratório de Microbiologia, cujos modelos biológicos experimentados visam à identificação de extratos vegetais ativos contra bactérias de importância para humanos e de importância em veterinária. Juntamente com o laboratório de Microbiologia, foi montado o Laboratório de Fitoquímica, onde são realizados os fracionamentos e a purificação de compostos oriundos dos extratos vegetais, para que as moléculas ativas possam ser identificadas. Nesta etapa do trabalho, é freqüente a necessidade da utilização de equipamentos de alta tecnologia, tanto para o isolamento de substâncias químicas como para a elucidação de sua estrutura molecular. Para que esta etapa seja realizada, cooperação com outras instituições de pesquisa são firmados, como Hospital Sírio Libanês, UNICAMP e USP. O espírito da pesquisa com a extratoteca é que cada extrato seja testado no maior número de ensaios biológicos e químicos possíveis. Deste modo, haverá um acúmulo de informações farmacológicas e fitoquímicas relacionadas a cada um deles, agregando valor à biodiversidade brasileira.

Perspectivas Futuras

O potencial da biodiversidade brasileira na descoberta de novos fármacos a partir de plantas é imenso. Com a ampliação da utilização de modelos biológicos e químicos para a prospecção dos extratos vegetais, a Extratoteca UNIP passa a ser um material de extrema importância científica na busca por novos fármacos a serem usados na terapêutica.

Área

Ciências da Saúde

Área de Conhecimento

Farmácia, Medicina Veterinária, Odontologia, Enfermagem, Fisioterapia, Ciências Biológicas, Química

Pós-Graduação

O NPBio está inserido nos Programas de Pós Graduação em Patologia Ambiental e Experimental e em Odontologia e está equipado para realizar pesquisas em diversas áreas da Saúde

Linhas de Pesquisa

Triagem de plantas brasileiras com atividade antitumoral e antibacteriana
Modelos experimentais em imunopatologia e imunotoxicologia
Avaliação da resposta citotóxica de extratos vegetais
Avaliação da resposta antibacteriana de extratos vegetais
Avaliação da resposta antioxidante de extratos vegetais
Avaliação da toxicidade de extratos vegetais
Óleos essenciais em plantas amazônicas. Variação sazonal e atividade biológica
Estudo da atividade de extratos vegetais contra Escherichia coli
Eficácia de produtos naturais utilizados em produtos auxiliares ao manejo do idoso sob cuidados de enfermagem
Avaliação da influência de plantas medicinais administrados à ratas prenhes sobre o comportamento dos filhotes desafiados por estersse na fase de adultos jovens
Avaliação da atividade de extratos vegetais sobre biofilme dental

CORPO DOCENTE/PESQUISADORES

Prof. Dr. Antonio Drauzio VarellaProf. Dr. Antonio Drauzio Varella
Currículo Lattes











Prof. Dr. Riad Naim Younes
Currículo Lattes

Profª Drª Ivana Barbosa SuffrediniProfª Drª Ivana Barbosa Suffredini
Farmacêutica, possui Mestrado e Doutorado em Ciências Farmacêuticas, área de Fármaco e Medicamentos. É professora de Farmacognosia e Farmacobotânica do curso de Farmácia da UNIP e professora dos cursos de Pós-Graduação em Patologia Ambiental e Experimental e em Odontologia. Sua ênfase de trabalho consiste na identificação de novos fármacos com atividade antitumoral e antibacteriana provenientes de extratos vegetais de plantas amazônicas e da Mata Atlântica. Chefia o NPBio da UNIP desde sua fundação, em 1996, o qual montou e vem gerenciando seu processo de expansão, de modo a possibilitar o acesso a alunos interessados em desenvolver atividades científicas. Foi responsável pela transferência da tecnologia necessária para implementar o Laboratório de Extração, no qual são obtidos os extratos vegetais, do Laboratório de Triagem Antitumoral, no qual os extratos são testados contra células tumorais humanas e do Laboratório de Microbiologia, onde são realizados diversos modelos experimentais.
Currículo Lattes
E-mail: extractlab@unip.br
Telefones: (11) 3170-3776/3717 e FAX: (11) 3170-3978

Prof. Dr. Mateus Luis Barradas PacienciaProf. Dr. Mateus Luís Barradas Paciencia
É Biólogo, Doutor em Botânica, formado pela Universidade de São Paulo (USP). É curador do Herbário UNIP, e um dos pesquisadores responsáveis pelos estudos sobre diversidade de comunidades vegetais (árvores e samambaias) nas florestas do rio Negro, desenvolvido por esta universidade. Foi membro fundador do Instituto Dríades de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade (ONG sediada em Ilhéus, BA, da qual ainda participa) e pesquisador do Projeto RestaUna (www.restauna.org.br), um projeto que investigou os efeitos da fragmentação florestal na Mata Atlântica sul baiana sobre comunidades biológicas ali existentes, durante os anos de 1998 a 2002. Desenvolveu estudos sobre fragmentação e comunidades de samambaias terrestres, sobre ecologia de comunidades de samambaias da Mata Atlântica do sudeste (Vale do Ribeira) e sobre desenvolvimento de mudas de árvores nativas na Serra do Mar, sendo este último realizado durante o período em que trabalhou na CETESB (1995 a 1997). Atualmente, além de curador do Herbário UNIP também é consultor na área de meio ambiente, realizando levantamentos botânicos para fins de licenciamento ambiental.
Currículo Lattes

Prof. Wilson Roberto MalavasiProf. Wilson Roberto Malavazi
Responsável pelas Escolas Ambientais da UNIP (Escola do Mar em Angra dos Reis - RJ; Escola da Natureza em Manaus - AM).
Coodenador de Projetos Especiais da UNIP.
Coordenador do Projeto de Pesquisas Científicas de Coletas de Plantas, Manaus - AM.
Diretor da UNIP Manaus - AM.
Diretor de Operações da MIX TV.

 

CORPO TÉCNICO

Sergio Alexandre FranaSergio Alexandre Frana
Farmacêutico, formado pela Universidade Paulista - UNIP. No projeto atua como responsável pelos ensaios biológicos em células tumorais. Faz parte da equipe que realiza as coletas de material botânico.


Jefferson de Souza Silva
Biomédico, formado pela Universidade Paulista - UNIP. Auxilia na realização dos experimentos em Microbiologia e com a inserção de dados biológicos no Banco de Dados.


Luiz Fernandes CoelhoLuiz Fernandes Coelho
Seu Luiz, como é conhecido, é uma daquelas pessoas que a gente gosta logo de cara, ao primeiro olhar. Inteligente, sábio, bom de papo, representa uma espécie de ícone para o grupo de pesquisas da UNIP. Hoje aposentado, foi funcionário do INPA durante quase cinqüenta anos, onde trabalhou ao lado de alguns dos botânicos mais importantes do mundo e exímios conhecedores da flora Amazônica, como Sir Ghillean Prance, Dr. William Rodrigues e Dr. Alwyn Gentry. Dessa forma, seu Luiz conhece as plantas como poucos, apesar de não ter se formado na faculdade. É um "botânico prático". Peça-chave dos estudos desenvolvidos pelo grupo.


Osmar Barbosa FerreiraOsmar Barbosa Ferreira
É natural de Canutama, interior do Amazonas. Já foi pescador, caçador, seringueiro, agricultor. A necessidade de auto-suficiência desde criança fez com que Osmar desenvolvesse algumas habilidades que só o pessoal local é capaz, como a de subir em árvores com rapidez impressionante. Atua no grupo de pesquisas da UNIP como coletor de material botânico e técnico de laboratório, em Manaus.


Lucielda Ramos dos SantosLucielda Ramos dos Santos
Natural de Panelas, PE, veio para São Paulo com 15 anos. Hoje, dá suporte aos projetos cuidando da limpeza do laboratório e dos materiais, feita sob rigoroso controle. Demonstra um enorme interesse nas técnicas envolvidas tanto na limpeza como nos trabalhos dos colegas.


Evanete Alves da Cruz
Dá suporte aos projetos cuidando da limpeza do laboratório e dos materiais, feita sob rigoroso controle. Apresenta-se sempre disponível a auxiliar os alunos e professores no que for necessário.

CORPO DISCENTE

Mestrandos

Doutorandos

  • Ana Lúcia Anauati Nicolau
  • Erika Ramos Martins
  • Fátima Cristina Carneiro Marques
  • Humberto Vieira Frias
    Depoimento: "Defini por realizar meu doutoramento no programa de pós-graduação em Patologia Ambiental e Experimental da Universidade Paulista - UNIP por possuir instalações e equipamentos de alta qualidade, corpo técnico experiente e por poder contar com um corpo Docente conhecido e reconhecido no âmbito acadêmico e científico com respeitável expertise em pesquisa e orientação de mestrandos, doutorandos e pós-doutorandos, além do curso ser recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior - CAPES".
  • Livia Roberta Piedade Camargo
    Depoimento: "Procurei o Laboratório para trabalhar com extratos vegetais, a fim de encontrar novos princípios ativos que possam ser futuramente aplicados à Medicina Veterinária".
  • Marcelo Vitale
  • Sinária Rejane Nogaia de Sousa

Alumni

  • Adriana Ligia de Castilho - Mestrado
  • Adriana Lima Achar - Iniciação Científica
  • Ana Paula Kalaf - Iniciação Científica
  • Anderson da Cruz Silva - Iniciação Científica
  • Andreza Marie Bonate Kostiukoff - Iniciação Científica
  • Áurea Márcia Mendes Santos - Iniciação Científica
  • Bruna Valério Santana - Iniciação Científica
  • Camila Matheus de Assis - Iniciação Científica
  • Cláudia Aparecida de Matos - Iniciação Científica
  • Daniela Fernandes Gusmão - Mestrado
  • Débora Bentivegna Cesta - Iniciação Científica
  • Deusdete Batista de Almeida - Iniciação Científica
  • Diogo de Mello Almeida - Iniciação Científica
  • Dirce Mimoto Estork - Mestrado
  • Ediane Oliveira Skmirko - Iniciação Científica
  • Eliane Margareth Pimenta Carneiro - Iniciação Científica
  • Ellen Carolina Montagner Carvasan - Mestrado
  • Jacqueline Placido Alonso - Iniciação Científica
  • Jefferson de Souza Silva - Iniciação Científica
  • Joana de Mattos Ozi - Mestrado
  • José Carlos Soto Ribeiro de Assis - Iniciação Científica
  • Juliana Paola Correa da Silva - Mestrado
  • Karina Emiko Yamamura - Iniciação Científica
  • Lucyana Cano Marin - Mestrado
  • Maria de Fátima Salgado Henrique Pelosini - Iniciação Científica
  • Maria Valéria Nani Rinaldi - Iniciação Científica
  • Mariana Revuelta Hirose - Iniciação Científica
  • Marlene Yaeko Mori Nakandakari - Iniciação Científica
  • Michele Barnabé - Iniciação Científica
  • Natalia Horacio da Silva - Mestrado
  • Paula Andreotti Rodrigues - Mestrado
  • Summaia Farah - Iniciação Científica
  • Taís Fortes - Doutorado
  • Thiago Macrini - Iniciação Científica
  • Tiago Morais Dale Caiuby - Iniciação Científica
  • William Martinelli - Iniciação Científica

LABORATÓRIOS

Herbário UNIP

No meio acadêmico-científico, "herbário" é uma coleção de plantas secas, devidamente identificadas, etiquetadas e armazenadas em armários apropriados, úteis para registrar a coleta de uma determinada espécie vegetal em um dado local de ocorrência. Os herbários servem para garantir que uma espécie tenha sido de fato encontrada por um pesquisador durante o desenvolvimento de sua pesquisa em uma determinada região, além de servirem como referência para diversos estudos científicos, uma vez que o material proveniente de coletas realizadas pelos cientistas fica guardado nas instituições especializadas.
O Herbário da UNIP existe no campus Paulista desde 1997, tendo sido criado logo após a implantação do projeto "Seleção, extração e identificação de novas drogas antitumorais e antibacterianas de plantas brasileiras", em 1996, coordenado pelo Dr. Drauzio Varella. Deste projeto, executado principalmente na Floresta Amazônica, emergiu a necessidade de se armazenar adequadamente amostras herborizadas das plantas (i.e., "vouchers") que vinham sendo coletadas e utilizadas para a produção de extratos, no Laboratório de Extração da UNIP, de modo que estas servissem como material-testemunho dos extratos produzidos. Surgiu, assim, a coleção científica de plantas da UNIP, oficialmente registrada como HERBÁRIO UNIP na Comissão de Herbários da Sociedade Botânica do Brasil (SBB) em 1999 e, em 2003 no Index Herbariorum, sob curadoria do Biólogo Dr. Mateus Luís Barradas Paciencia.
Com o incremento do incentivo da UNIP à pesquisa básica, outros projetos de pesquisa na área de botânica e ecologia foram agregados ao projeto inicial do Dr. Drauzio e o Herbário UNIP passou a receber material botânico de diversas localidades. Hoje em dia, já conta com cerca de 11.000 números em seu acervo, sendo um dos principais herbários particulares do Estado de São Paulo. Desses números, aproximadamente 6.000 referem-se a plantas amazônicas (cerca de 1.500-2.000 espécies diferentes), o que torna o Herbário UNIP uma importante fonte de referência dessas espécies, dentro do Estado. Maiores informações podem ser obtidas na página web do New York Botanical Garden - Index Herbariorum (http://www.nybg.org/bsci/ih/), sob o acrônimo UNIP.

Laboratório de Extração

A idéia de se pesquisar a biodiversidade amazônica ocorreu no início dos anos 90, quando o Dr. Drauzio Varella viajou à Amazônia e observou que, na paisagem deslumbrantemente verde havia folhas de árvores completamente tomadas por fungos, enquanto outras permaneciam intactas, tenras. Percebeu que havia um enorme potencial científico no meio da vastidão Amazônica e uma lacuna na pesquisa em grande escala com o objetivo de se identificar instrumentos científicos que auxiliassem em estudos sobre a terapia do câncer, de doenças infecto-contagiosas e outras. No final dos anos 1990, sob os conceitos empregados em laboratórios similares do National Cancer Institute, ligado ao National Institutes of Health, dos Estados Unidos, Laboratório de Extração da UNIP foi montado, com o objetivo de se obter o maior número de extratos vegetais de plantas brasileiras, de um modo sistemático, para que fossem submetidos a ensaios biológicos e farmacológicos. Hoje, o Laboratório possui uma extratoteca, ou uma biblioteca de extratos vegetais, composta por mais de 2000 extratos obtidos de plantas da Amazônia e da Mata Atlântica, que permanecem armazenados a - 20 °C, em câmaras frias. Cada amostra de planta é submetida ao processo extrativo, do qual dois extratos são obtidos, um orgânico e um aquoso, de modo que uma parcela representativa dos compostos presentes na planta seja retirada, ou no extrato apolar, ou no extrato polar. Os extratos são, por sua vez, diluídos em solventes apropriados e testados nos modelos biológicos. Os extratos ativos são fracionados e o composto responsável pela atividade é isolado, identificado e testado no modelo biológico, a fim de que sua atividade biológica seja confirmada e comparada com substâncias de referência. Um dos principais objetivos de se obter e manter a extratoteca é gerar uma fonte constante de amostras a serem testadas em diversos modelos biológicos, preferencialmente desenvolvidos in vitro, e deste modo, otimizar a identificação de novas ferramentas farmacológicas a serem empregadas em estudos de diversas patologias.

Laboratório de Microbiologia

O Laboratório de Microbiologia foi montado com o objetivo de se avaliar a resposta antimicrobiana dos extratos vegetais frente a microorganismos de importância em patologias humanas e animais. Foram testados mais de 1200 extratos contra quatro bactérias, sendo duas Gram positivas - Staphylococcus aureus e Enterococcus faecalis e duas Gram negativas -Pseudomonas aeruginosa e Escherichia coli. Com a introdução do NPBio nos Programas de Pós Graduação em Odontologia e em Patologia Ambiental e Experimental, houve uma expansão no número de ensaios antimicrobianos realizados e os extratos passaram a ser testados em outras bactérias de interesse específico a estas áreas, como Streptococcus mutans, Streptococcus sanguis, Candida albicans, Prevotella intermedia e Porphyromonas gingivalis, importantes na doença periodontal e na cárie. Os modelos empregados nos ensaios são validados de modo a comportar a análise de um elevado número de amostras por semana, utilizando-se de uma quantidade mínima de amostra.

Laboratório de Triagem Antitumoral

Este laboratório foi montado com o objetivo de se avaliar a atividade citotóxica frente a tumores malignos humanos, cultivados in vitro, dos extratos e outras amostras. Os equipamentos e material de consumo deste laboratório são financiados pela FAPESP. Este laboratório foi montado segundo parâmetros estabelecidos no National Cancer Institute, ligado ao National Institutes of Health, dos Estados Unidos, de onde houve a transferência de tecnologia. Atualmente, o painel de células do Laboratório contém 7 linhagens tumorais: mama, próstata, pulmão, cólon, sistema nervoso central, leucemia e cabeça-e-pescoço. Contra estas 7 células, já foram testados mais de 1200 extratos quanto à atividade citotóxica e destes, cento e vinte apresentaram-se letais a 15 % ou mais das células em cultura, em relação a controles de crescimento sem tratamento. Estes extratos serão fracionados e testados novamente no modelo biológico, assim como serão avaliados quanto à composição das classes químicas presentes. Novas células serão introduzidas em nosso painel, referentes a tumores malignos de cabeça e pescoço, e eventualmente algumas de importância veterinária.

EVENTOS

  • XXIV Simpósio de Plantas Medicinais do Brasil. Belo Horizonte, setembro de 2016
  • 47th International Symposium on Essential Oils, Nice, França, agosto de 2016

TESES

Ainda não publicadas.

PUBLICAÇÕES

CONVÊNIOS

A UNIP estabeleceu um convênio com a União, especificamente com o IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis a fim de que o projeto de bioprospecção de novos fármacos antitumorais e antimicrobianos pudesse ser realizado. O Conselho de Gestão do Patrimônio Genético é a instituição responsável por fornecer acesso aos recursos genéticos à UNIP, e o IBAMA, como agente administrador das unidades de conservação nas quais a UNIP trabalha, é o órgão responsável por fornecer a licença de coleta do material vegetal com o qual os extratos vegetais são obtidos e posteriormente testados nos modelos biológicos in vitro.

Foi estabelecido um convênio com o Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês, para que a etapa de elucidação dos componentes químicos dos extratos vegetais sejam separados e identificados. Técnicas elaboradas de cromatografia e espectrometria serão utilizadas para determinar a estrutura química dos produtos naturais e o perfil cromatográfico dos extratos vegetais. Além disso, grupos de pesquisa estabelecidos no IEP/HSL também cooperam com o grupo de pesquisa do Laboratório de Extração a fim de que os extratos vegetais sejam testados em outros modelos biológicos.

LINKS DE INTERESSE

CONTATO

Telefones: 11 3170-3776/3717
Fone/FAX: 11 3170-3978
extractlab@unip.br

© 1999-2017 - Universidade Paulista - Todos os direitos reservados.